Conheça Gina Jardine: nossa nova Vice-Presidente Sênior de Recursos Humanos

“Estou em busca do próximo desafio!”, diz Gina Jardine, em seu novo escritório na Kinross, com vista para o lago Ontário. A mais nova integrante da equipe de líderes sênior (SLT) passou a fazer parte da Kinross em abril como Vice-Presidente Sênior de Recursos Humanos, e está animadíssima – seja para correr maratonas, escalar montanhas ou promover o crescimento e a excelência da Kinross.

Nascida na Austrália, Gina é bacharel em psicologia e tem MBA pela Melbourne Business School. Entrou no setor de mineração por acaso, ao ser contratada como Chefe de RH da área de Tecnologia e Inovação do conglomerado de mineração de metais anglo-australiano Rio Tinto. Após descobrir a nova paixão pelo setor, exerceu, ao longo de oito anos, vários cargos sênior na Rio Tinto, mudando-se de Brisbane para Londres. Antes de ingressar na Kinross, Gina era Vice-Presidente de Recursos Humanos da Divisão de Diamantes e Minérios da Rio Tinto.

Nessa função, era responsável por 20 minas e diversos projetos de grande escala, com mais de 50% de seu portfólio na África, continente com o qual sente forte ligação. Gina esteve na Guiné durante a recente epidemia de ebola como parte de uma iniciativa da Rio Tinto em levar apoio sênior à região e ficou muito orgulhosa por a doença não ter afetado nenhum dos funcionários da empresa nem suas famílias.

Uma das paixões de Gina é promover o reconhecimento de boas ações no setor de mineração que muitas vezes passam despercebidas. “As pessoas falam do ‘minerador mau’ e eu penso: espere aí!”. “Na verdade as mineradoras fazem um excelente trabalho, sobretudo em regiões mais carentes, tanto na tempestade quanto na bonança”, defende ela enfaticamente, citando a resposta da Kinross às recentes inundações do Chile como exemplo ostensivo. “Devemos nos orgulhar de trabalhar em uma empresa como a Kinross e de dar contribuições tão positivas”.

E Gina não fica só nas palavras. Em outubro passado, escalou 5.895m, alcançando o topo do Monte Kilimanjaro, na Tanzânia, levantando, no processo, mais de 5.000 libras esterlinas para a Fundação Rio Tinto na Guiné, que financia projetos de agricultura sustentável no país. Desde sua mudança para Toronto, participou de duas maratonas de 10 km para apoiar instituições beneficentes, unindo-se à equipe da Kinross para arrecadar fundos para o Camp Oochigeas, um acampamento de verão para crianças com câncer.

O que atraiu Gina à Kinross foi a presença da empresa no cenário global e a maneira como valoriza seus funcionários. Ao conhecer melhor a Kinross, ficou marcada pelo “sentimento de carinho” existente na empresa. “O calor humano realmente ficou patente”, diz. Ciente de que o setor como um todo enfrenta desafios, Gina está ansiosa por implantar “estratégias que aumentem a agilidade organizacional e programas que desenvolvam e preparam nosso pessoal para o sucesso neste momento de volatilidade”. “Quero que o investimento em nossa equipe seja um dos nossos principais diferenciais em relação aos concorrentes”, diz ela.

Quanto ao desafio de ser mulher em um setor dominado por homens, Gina responde com um insight interessante: a proporção de mulheres na mineração é maior na África do que nos países desenvolvidos. Ela deseja entender por que isso ocorre e criar, na Kinross, estratégias que assegurem igualdade de acesso a pessoas de ambos os sexos e de diferentes nacionalidades. Já começamos a abrir o caminho. No início do ano, a Kinross lançou uma política com o objetivo de aumentar a participação das mulheres em seu quadro de funcionários. Gina reconhece que a mineração tem características específicas que podem gerar algumas dificuldades. “Diferentemente de outros setores, nos quais se pode levar o ‘trabalho’ até as pessoas, na mineração é necessário levar as pessoas até o ativo. Precisamos de programas, políticas e ideias inovadoras para fazer frente a esses desafios e criar igualdade de oportunidades para toda a nossa diversidade de funcionários.

Nesse caso, o ativo aparentemente veio até nós. Em breve, o marido de Gina, Phil, e seu filho de 12 anos, Kyler, se mudarão para Toronto para ficarem com ela.

Gina Jardine com o marido, Phil, e o filho, Kyler, de férias em Israel

Na mina de diamantes Diavik, da Rio Tinto, nos Territórios do Noroeste (Canadá).

Com estudantes na Guiné.

No topo do Monte Kilimanjaro,na Tanzânia.

Com a medalha de finalista na maratona de Nova York.